ABFLEXO/FTA-BRASIL - Associação Brasileira Técnica de Flexografia

Acesso ao painel Administrativo da ABFLEXO/FTA-BRASIL Flexografia

Admin

Administração

 

Participantes do Prêmio Qualidade Flexo

Prêmio Qualidade Flexo

 



ABFLEXO/FTA-BRASIL - Pesquise e encontre!

WEB-TO-PRINT OU PRINT-TO-WEB

WEB-TO-PRINT OU PRINT-TO-WEB

Por Emersom Viotto Lambert *

 

DO QUE SE TRATA, QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS SOLUÇÕES, OS SEUS BENEFÍCIOS E AS TENDÊNCIAS DE FUTURO APONTADAS QUE JÁ ESTÃO SENDO VISTAS NO MERCADO

 

 

1 – Introdução

Não há como negar que a internet se tornou a ferramenta de comunicação mais utilizada no planeta, nos tempos atuais, para a difusão de informação, comunicação entre as pessoas e até para obtenção de produtos, serviços e campanhas de marketing. Este poderoso instrumento, quando aliado a outros, pode abrir as portas para diversas oportunidades de negócios. A rapidez com a qual a informação e a vida se transformam não mais comporta ferramentas que não acompanhem, na mesma velocidade, essas mudanças.

Na última edição da Drupa, em maio deste ano, fui para Düsseldorf, na Alemanha, com a missão de pesquisar as soluções de web-to-print, sistemas de automação, tendências da indústria de embalagens e da impressão digital, mas confesso que fiquei completamente perplexo com a enorme quantidade de soluções disponibilizadas de web-to-print. Neste artigo, vou tentar lhe passar uma visão macro.

Em um primeiro momento, o web-to-print é considerado apenas o envio de arquivos digitais, por meio da internet, para impressão. Mas, na realidade, esse termo é muito mais amplo, e podemos dizer que ele representa toda e qualquer interação de um produto gráfico (folder, livros, cartões, embalagens) com a internet (por meio de um browser). Produtos podem ser criados, editados, aprovados, pagos e, ainda nesse processo, pode ser incluído um QR Code, por exemplo, possibilitando o acesso a informações complementares, como vídeos, músicas, games. Temos então aí o web-to-print, ou print-to-web – as duas formas levam para a mesma finalidade.

2 – Soluções mais comuns de web-to-print

Com base nas principais soluções de web-to-print, apresentadas na Drupa 2012, podemos citar algumas delas que já estão disponíveis atualmente no mercado, as quais podem trabalhar de forma stand alone (sozinhas) ou integradas, conforme veremos.

Personalização

Nesta solução de web-to-print, chamada de Personalização, a gráfica disponibiliza para o cliente toda a sua linha de produtos, como Photobook, Poster, Calendário, Cartão, Caneca, entre outros, aonde templates possibilitam ao cliente fazer a sua personalização (imagens e texto), conforme estes passos:

a)    o cliente ao acessar o site e faz seu cadastro;

b)   copia (upload) suas imagens para o site;

c)    escolhe o produto e faz sua personalização pelo browser;

d)   faz o pagamento online;

e)    o produto é entregue em sua casa normalmente em até 10 dias úteis.

Design Interativo (editor online)

Comparado à anterior, a solução Design Interativo tanto pode atender o cliente consumidor (B2C), como uma empresa (B2B). Podem-se utilizar templates pré-preparados ou criar um produto totalmente novo. Esta solução possui todas as ferramentas de edição, como parágrafo, grid, curva bézier, e ainda trabalha com múltiplas páginas, prova virtual com simulação em 3D e, em alguns casos, até simulação de enobrecimentos, como relevo, verniz ou hot stamping.

Marketing Analitics

Esta solução de web-to-print é para a área de marketing, com inúmeras possibilidades para pequenas, médias e grandes campanhas, em que podemos destacar o gerenciamento de versão e o controle de edição, permitindo que sejam bloqueadas partes críticas de um documento, como logotipos e marcas. Como exemplo: uma imobiliária poderia cadastrar um novo imóvel em sua base de dados com imagens, localização, detalhes e, após finalizar o cadastro, seria enviado automaticamente um SMS, email-marketing ou folder personalizado para seus clientes. E, para finalizar o fluxo, seriam gerados relatórios de recebimento e visualização, entre outros dados.

Automação

A proposta desta solução é controlar o recebimento dos arquivos para impressão convencional, impressão digital, de embalagens, rótulos e etiquetas. Para isso, é feita a integração da pré-impressão, já existente na gráfica, com ferramentas de web para cadastro, edição, revisão, aprovação e acompanhamento, durante todas as fases de desenvolvimento do produto até a entrega ao cliente.

Workflow de Pré-impressão

É a interface web dos principais sistemas de workflow para pré-impressão, para recebimento de arquivo, pre-flight, aprovação remota (análise do arquivo com regras definidas), separação de cores, montagem, aplicação de marcas. Um exemplo desta solução é a montagem de rótulos e etiquetas automaticamente.

3 – Disponibilizações das soluções

As soluções de web-to-print podem ser adquiridas pelas empresas gráficas de duas formas:

a)      Um modelo é o sistema para instalação interna (forma stand alone), para o qual se faz necessária também a aquisição de servidores e contratação de links de internet de alta velocidade e pessoal especializado. Vale lembrar que, frequentemente no Brasil, enfrentamos problemas com a velocidade e disponibilidade de internet, mesmo nas grandes cidades. Dependendo do local, fica inviabilizada a principal vantagem da solução web-to-print, que é o funcionamento 24 horas por dia e 7 dias por semana. 

b)      O segundo modelo é conhecido por Software como Serviço (do inglês Software AS a Service – SAAS). Esse é o sistema que cada vez mais vem sendo utilizado, por ser mais flexível e não necessitar de uma infraestrutura de TI interna, como no modelo stand alone, além de outros benefícios. Na sua aquisição já se contrata a infraestrutura do provedor da solução, configuração inicial, sendo estipulado um pagamento mensal pela hospedagem e recursos contratados.

Vale dizer que o cliente final (o cliente da gráfica) pode ser tanto B2B (Business-to-Business), como B2C (Business-to-Consumer).

4 – Principais benefícios

Hoje, nos processos sem o web-to-print, o designer desenvolve a arte e envia o arquivo para a gráfica pela internet (e-mail, FTP ou outro meio), e então se inicia o ciclo produtivo aonde os arquivos deverão ser conferidos em seus detalhes (orçamento, fonte, imagens, formato, prazo de entrega). Nesse processo estão envolvidos diversos departamentos e setores, tornando-o lento e com possibilidade de falhas, que muitas vezes são detectadas somente durante a impressão do produto, ou até mesmo depois de impresso.

Com uma ferramenta de web-to-print, o designer, ou o cliente final, já visualiza os seus arquivos através do browser e pode escolher a quantidade, verificar o preço, estimar o custo do frete, personalizar o documento, alterar layout e finalizar o pedido por um sistema de pagamento seguro. Esse processo pode ser sumarizado desta maneira:

a)    o primeiro passo é a escolha do template (criado pela gráfica com os formatos, tipos de acabamento e os tipos de material gráfico, como folders, cartão de visita, flyers) ou a criação de um produto totalmente novo;

b)    o segundo passo é o preenchimento do formulário sobre quantidade, tipo de papel, número de cores, tipo de frete, e dessa forma se obtém o preço final do material a ser impresso;

c)    o terceiro passo é a edição do layout (ou confecção da arte), a inclusão de textos, logotipos e imagens, lembrando que, inclusive, este passo é feito através do browser;

d)    o quarto e último passo é a finalização do pedido e efetivação do pagamento.

Na visualização do produto, que acontece no terceiro passo, é possível a utilização do sistema Softproof (aprovação remota), no qual se tem a separação de cores, visualização em 3D e, em algumas soluções, até o enobrecimento do produto.

5 – As tendências

As tendências, com essas tecnologias, são cada vez mais de integração das mídias. Ao se criar um produto gráfico, o profissional da área deverá fazê-lo pensando que este produto poderá ser visto em uma revista, em um jornal, em um monitor de computador, em um tablet, smartphone ou em um televisor.

Para possibilitar a integração das mídias, já existem protocolos de comunicação, criados com base na web, permitindo que aplicativos e servidores consigam interpretar os códigos, de forma nativa. Vem daí a necessidade de interação entre as mídias, para que se consiga maior amplitude e alcance na qualidade dos produtos. Sistemas remotos para aprovação, compartilhamento, distribuição e produção de impressos devem seguir essas tendências. Torna-se possível, então, concluir que as estratégias digitais, associadas à mídia impressa, trarão enormes contribuições para o mercado gráfico, tornando-o mais integrado às evoluções e também ao público leitor.

Ferramentas como o QR Code e o RA (Realidade Aumentada) já fazem parte do dia a dia de jornais, revistas, livros, folhetos, malas diretas e embalagens. E as tecnologias poderão somar suas forças e atender a todos os níveis e tipos de públicos, de forma sinérgica e, talvez futuramente, inseparável. No caso específico de embalagens é possível se fazer todo o controle técnico e comercial de um produto, pela web. Exemplo disso é uma recente campanha da Coca-Cola, lançada em agosto passado, em que os 150 nomes mais comuns entre jovens e adultos brasileiros estavam estampados nas embalagens de Coca-Cola Zero, com versões presentes em mais de 500 mil pontos de venda do Brasil, nos formatos lata, 600 mililitros e 2 litros. Quem não estivesse entre os 150 nomes mais populares do país poderia tentar emplacar seu nome por meio de uma votação na “fan page da marca”. Segundo a Coca-Cola, mais 50 nomes seriam escolhidos com a ajuda dos consumidores. Ainda, nas redes sociais, outro aplicativo permitia a personalização de uma lata virtual.

Como podemos observar, as mídias digitais não estão aí para competir, mas para coexistir, sendo necessário apenas ter demanda, fato que a globalização permite, uma vez que as tecnologias e recursos estão cada dia mais acessíveis.Uma combinação entre mídias impressas e digitais poderá promover maior agilidade, praticidade e maior interação com os consumidores, como é o caso da web-to-print, que favorece uma maior segurança na escolha do produto, desenvolvimento e satisfação dos clientes, bem como uma garantia de mercado para as empresas gráficas. Esta é uma tendência que só tem a se confirmar e consolidar nos mercados gráficos.

A tecnologia deve continuar desempenhando seu papel, ao promover maior facilidade para os usuários e consumidores, e permitindo uma combinação quase que infinita de recursos e ferramentas. Tecnologias com maior capacidade de armazenamento de dados, que ocupem cada vez menos espaço, que sejam autossuficientes e consumam cada vez menos energia são certezas de um futuro não muito distante.

 

 

--------------------------------------------------------

(*) Emersom Viotto Lambert

Emersom possui mais de 20 anos de experiência em artes gráficas, embalagens, cross media e pré-impressão. Atuou em empresas como Dixie Toga, Inapel Embalagens e Gráfica Gonçalves, em gerência de projetos, treinamento, assessoria e inovação de produtos. Também tem vivência profissional nos Estados Unidos e Europa em projetos de customização de softwares para a área gráfica e desenvolvimento de mercado. Foi Instrutor de Pré-impressão na Escola SENAI José Ephim Mindlin, de Barueri, SP. Contato: emersomlambert@uol.com.br

 

 

Fonte: Revista Inforflexo edição 120 – Setembro/Outubro de 2012

Entre em contato conosco!